Melhorar a circulação sanguínea

Leave a comment
Má circulação sanguínea, eu tenho!
Assim como eu há imensas pessoas que sofrem de má circulação e por isso decidi partilhar convosco as minhas dicas. Dicas estas, que me ajudam a contornar estas desordens provenientes da má circulação, como as varizes e pernas inchadas (há dicas em que os meus tornozelos dobram de tamanho). Estas desordens podem não ser graves mas são bastante incómodas.
Varizes, flebites, pernas inchadas, cansaço, dores, sensação de peso são alguns dos efeitos indirectos da má circulação de retorno, ou seja, aquela que flui pelas veias em direção ao coração.
Estas complicações não são graves, no entanto, se não forem tratadas a tempo, podem originar complicações de maior gravidade e reduzir a qualidade de vida.
1. Coma de forma variada e equilibrada 

 É necessário comer de forma variada e equilibrada (para controlar o ganho de peso que favorece a obstrução das artérias) e apostar nos alimentos ricos em antioxidantes porque protegem as paredes vasculares. Os Frutos, os legumes, os cereais, as gorduras insaturadas e as carnes magras são nossos aliados nesta batalha.

 

2. Aposte nos alimentos ricos em fibras

Favorecem o trânsito intestinal, o que evita o aumento de pressão abdominal, a debilitação das paredes das veias e da parede do cólon, reduzindo o risco de sofrer de prisão de ventre, varizes e hemorróidas e a acumulação de toxinas no sangue.

As frutas secas e frescas, as leguminosas, as verduras e hortaliças, os cereais e alimentos integrais são grandes aliados dos intestinos. Se seguir a regra de ingerir cinco porções diárias de vegetais, não lhe vai faltar fibra.

3. Tranque o saleiro (UM MINUTO de silêncio por esta medida…que é o meu ponto fraco)

O excesso de sódio não é só contra-indicado em pessoas com hipertensão arterial. Também favorece a retenção de líquidos, obrigando o coração, o fígado e os rins a trabalharem acima das suas possibilidades, fomentando problemas circulatórios.

Evite as conservas, sopas de pacote, molhos, bolachas, enchidos, queijos curados, carnes e peixes salgados ou fumados e pré-cozinhados.  Utilize as As ervas aromáticas, são excelentes substitutas do sal.

4. Prefira as gorduras insaturadas

Ao contrário das saturadas, presentes nos lacticínios gordos e nas carnes vermelhas, estes lípidos podem reduzir a viscosidade do sangue, favorecendo a fluidez da corrente sanguínea. São gorduras importantes para regular a pressão arterial, a vasodilatação e a coagulação.

Estes ácidos gordos encontram-se, sobretudo, nos óleos de sementes de girassol, milho e soja, azeite, nos frutos secos (nozes e amêndoas), abacate e nos peixes gordos.

5. Hidratação é vida

Deve beber entre 1,5 a 3 litros de água por dia para facilitar a eliminação de toxinas e melhorar a circulação. Também pode recorrer às infusões, como as de chá ou de gingko biloba (beneficia a irrigação cerebral).

Os meus truques extra:

 Massagem nas pernas

Sim. Massajar as pernas de baixo para cima alivia em caso de pernas inchadas.

Pernas para ar

Levantar um pouco os membros inferiores enquanto se está sentado ou mantê-las elevadas quando se está deitado favorece o retorno venoso. Para tornar a circulação mais fluída, erga as pernas alguns minutos por dia e durma com as pernas mais altas do que a cabeça, subindo ligeiramente a parte da cama onde repousa os pés, com uma almofada.

Suplemento BioActivo Biloba Forte

Todos os dias tomo alguns suplementos para me ajudarem em vários factores do meu dia-a-dia e um deles é o BioActivo Biloba Forte. Já vou na minha terceira caixa desde que fui convidada a experimentar  e já não dispenso.

Características de BioActivo Biloba Forte:
BioActivo Biloba Forte permite manter uma boa circulação sanguínea, por exemplo no cérebro e nos vasos sanguíneos. Deste forma, as células são fornecidas com mais oxigénio e nutrientes. Muitas pessoas também encontraram em BioActivo Biloba Forte uma boa solução para o problema das mãos e dos pés frios.
Devido ao teor elevado de extracto de Ginkgo biloba por comprimido, é possível obter o efeito desejado em 4 semanas, aproximadamente, apenas com 1-2 comprimidos por dia.
Quando o fornecimento de sangue às células e tecidos é reduzido, pode haver tendência para ter as mãos e os pés frios. BioActivo Biloba Forte pode ajudar o fluxo sanguíneo, desta forma deve-se evitar tomar produtos com Ginkgo biloba antes de uma cirurgia planeada (devido ao risco de hemorragia).

Espero que tenham gostado destas dicas e partilhem também as vossas nos comentários 🙂

Nutricionista Denise Gomes

Post introduzido por Denise Gomes

Como descobrir a quantidade de açúcar nos alimentos

Leave a comment

Quem tem tempo para preparar o seu alimento todos os dias, ir ao mercado procurar hortícolas frescos e comparar os rótulos de tudo o que compra no supermercado? Se a resposta for não, saiba que faz parte de um grupo grande de pessoas que possuem dificuldades em manter uma dieta saudável – que começa na identificação da quantidade de açúcar nos alimentos.

Quantidade de açúcar – alerta 🚨

O açúcar (hidratos de carbono) é um dos nutrientes essenciais para o organismo e sem ele as células do nosso corpo não funcionam. No entanto, o seu consumo excessivo pode aumentar o risco de várias patologias, incluindo a saúde dental, a obesidade e o tipo 2 da diabetes. Por essas razões, torna-se fundamental conhecer a quantidade de açúcar nos alimentos que consumimos.

4 dicas para descobrir a quantidade de açúcar nos alimentos

1. Verifique a quantidade de açúcares totais

Para descobrir a quantidade de açúcar nos alimentos, é preciso verificar as informações nutricionais que estão nos rótulos dos alimentares. Em “açúcares”, podem estar descritos açúcares naturais (como a lactose e a frutose) como o açúcar refinado (sacarose).

A OMS lançou um alerta sobre os riscos do consumo excessivo de açúcar. As recomendações indicam que o consumo de açúcares simples adicionados à nossa alimentação deve estar abaixo dos 10 % da energia consumida diariamente. De preferência aproximar-se dos 5%.

Ou seja, o total diário de açúcar adicionado aos alimentos (em croissants, sumos, sobremesas, cereais de pequeno-almoço, etc.) não deveria ultrapassar as 6 colheres de chá de açúcar.

Por isso, verifique se a quantidade de açúcar contida no alimento fique bem abaixo deste número.

Tenha em mente que um pacote de açúcar tem 7g, se um iogurte tiver 14g de açúcar contém 2 pacotes de açúcar. Para um iogurte com 125g é bastante.

2. Fique de olho na lista de ingredientes

No rótulo dos alimentos, a lista de ingredientes aparece em ordem decrescente, ou seja, quanto antes vier o açúcar nessa lista, maior a sua concentração no alimento.

Tenha um cuidado especial na procura dessa informação, já que o açúcar pode aparecer com outros nomes, como açúcar mascavado, mel, xarope, melado, glicose, dextrose, maltose e concentrados de frutas.

3. Cálculo rápido dos açúcares 

Uma boa maneira de verificar se o alimento é rico em açúcar ou  é se concentrar no item “dos quais açúcares” o seguinte:
De forma geral, se há mais de 15 gramas de açúcar por 100 gramas, é considerado um produto com alto teor de açúcar.
Se for 5 gramas por cada 100 gramas, é um produto com baixo teor de açúcar.

4. Compare produtos

Ficou na dúvida se aquele alimento tem muito açúcar ou não? Outra forma de descobrir a quantidade de açúcar nos alimentos é comparar com outro produto similar ao que você pretende consumir.

Tenha em mente que mesmo que algumas marcas sejam mais famosas, nem sempre são a melhor para a sua saúde.

Exemplos de valores recomendados
Para sua orientação, eis os valores de gordura, de açúcar e de sal recomendados por 100g de alimento relativamente a alguns produtos:

Iogurtes magros devem ter menos de 0,5 g de gordura, enquanto os iogurtes sem açúcar adicionado devem conter 5/6 g de hidratos de carbono (HC);
Os cereais de pequeno-almoço devem ter menos de 17 g de açúcares e mais de 13 g de fibra;
As bolachas ou tostas devem ter menos de 13 g e no máximo 15 g de gorduras. A quantidade de açúcares deve ser inferior a 5 g.
Em termos de sal ou sódio: assegure que tem menos de 0,6 g de sal ou menos de 0,3 de sódio (300 g). As fibras devem estar nos valores acima de 5 a 6 gramas.

Post introduzido por Denise Gomes

Crianças e férias de verão

Leave a comment

 

Com as férias do verão são muitos os meninos que aumentam o peso ou começam a ter uma alimentação mais desorganizada.

A alimentação é tão importante como o sono e outras atividades, e é necessário considerar alguns conselhos úteis para que as crianças gozem de boa saúde.

Conselhos úteis:

1. Estabeleça um horário para seu filho acordar, fazer as refeições, se divertir e dormir. Planeamento é muito importante.

2. Verifique se o seu filho cumpre com todas as refeições: pequeno-almoço, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Deve-se começar o dia com um bom pequeno-almoço, baseando-se em leite ou derivados , pão ou derivados e fruta.

3. Não esqueça de hidratar o seu filho. Na praia ou na piscina, é importante que as crianças bebam muita água. A fruta também é uma fonte de hidratação, para além de ser uma fonte importante de vitaminas e minerais.

4. Os salgadinhos, refrigerantes, doces, chocolates e outros devem ser consumidos sem exageros. O consumo exagerado faz com que as crianças engordem muito durante o verão. Procure soluções menos processadas. Desembale menos e descasque mais – este é o lema.

É importante que os lanches estejam disponíveis para que eles não tenham “preguiça” de comer, como por exemplo: Prepare com antecedência palitinhos de cenoura, overnights adaptados às crianças, fruta e iogurtes. Organização é a chave.

5. A apresentação da comida também é importante. Uma comida colorida e atrativa chamará mais a atenção das crianças.

Nutricionista Denise Gomes

Post introduzido por Denise Gomes

Intolerância ao glúten – sim ou não?

Leave a comment

 

 

Em primeiro lugar, o que é o glúten?

Resumindo, é uma proteína encontrada no trigo e cereais relacionados, como a cevada e o centeio, entre outros; o glúten dá elasticidade à massa.

Na verdade, o glúten é composto por duas proteínas diferentes: gliadina e glutenina e constituem aproximadamente 80% da proteína contida no trigo.

A intolerância ao glúten não celíaca é a incapacidade ou dificuldade de digestão do glúten. Nessas pessoas o glúten danifica as paredes do intestino delgado, provocando diarreia, dor e inchaço abdominal, além de dificultar a absorção de nutrientes.

Se acha que pode ser intolerante ao glúten, assinale os seus sintomas:

1. Excesso de gases e barriga inchada após comer alimentos como pão, massa ou cerveja

Sim
Não
2. Alternância de períodos de diarreia ou prisão de ventre
Sim
Não
3. Tonturas ou cansaço excessivo após as refeições
Sim
Não
4. Irritabilidade fácil
Sim
Não
5. Enxaquecas frequentes que surgem principalmente após as refeições
Sim
Não
6. Manchas vermelhas na pele que podem dar comichão
Sim
Não
7. Dor constante nos músculos ou articulações
Sim
Não

Na presença desses sintomas, o ideal é fazer exames que confirmem o diagnóstico de intolerância, como exame de sangue, de fezes, de urina ou a biópsia intestinal.

Além disso, deve-se excluir da dieta todos os produtos que contenham essa proteína, como farinha, pão, biscoito e bolo, e observar se os sintomas desaparecem ou não.

Veja mais aqui

Nutricionista Denise Gomes

 

 

Post introduzido por Denise Gomes